Follow by Email

quinta-feira, 15 de maio de 2008



AUSÊNCIA


Por muito tempo achei que a ausência é falta.

E lastimava, ignorante, a falta.

Hoje não a lastimo.

Não há falta na ausência.

A ausência é um estar em mim.

E sinto-a, branca, tão pegada,

aconchegada nos meus braços,

que rio e danço e invento exclamações alegres,

porque a ausência,

essa ausência assimilada,

ninguém a rouba mais de mim.



Carlos Drumond de Andrade


me gusta mucho este poema, porque aveces me traduce ...

me lo escribio un amigo ... de esos que nunca vimos, pero que uno lleva tan adentro como un cariño acostumbrado.

pasa mucho tiempo sin decirme un hola que tal? ... pero en el fondo sabemos que las palabras "esas perras negras" ... son mudas e no lo dicen todo, que importa ...verdad? ... lo bueno ...es que cuando me escribe unas lineas ... hace que me sienta feliz y el sol parece brillar mismo entre nubes ... justamente hoy, le diria gracias amigo por estar en algun rinconcito de mi.

(estas palabras son para Vigo)


Nenhum comentário: